Obesidade infantil, confira os 5 maiores que podem influenciar a obesidade

Obesidade infantil, confira os 5 maiores erros que os pais podem cometer contra a dieta dos filhos


Um dos principais problemas de saúde pública do mundo, a obesidade infantil é considerada epidemia e deve ser combatida; para nutricionista e coach Gladia Bernardi, a alimentação inadequada começa em casa.

http://www.estou-crescendo.com/2017/06/obesidade-infantil-confira-os-5-maiores.html



A Organização Mundial de Saúde avalia que a obesidade é um dos fatores que mais 

contribuem para o aumento dos casos de câncer, hipertensão, problemas renais e 

diabetes, entre outras doenças crônicas. Apesar dos alertas, a doença tem se tornado 

cada vez mais comum no Brasil e no mundo, principalmente entre as crianças.

Segundo o relatório "Pelo Fim da Obesidade Infantil" (2016), o problema atinge 41 

milhões de crianças menores de cinco anos. Ainda de acordo com a pesquisa, os casos de 

obesidade estão relacionados a fatores comportamentais, deixando apenas 5% para os 

fatores genéticos e 10% a causas hormonais tratáveis. Portanto, não adianta culpar a 

“genética” ou os hormônios. Os números mostram que os maus hábitos e a má qualidade 

da alimentação são os principais causadores do sobrepeso.

Nutricionista funcional e coach em emagrecimento, Gladia Bernardi defende que pais e 

responsáveis são os verdadeiros culpados pela obesidade infantil, pois a rotina 

alimentar, seja ela boa ou ruim, começa na família. “A criança constrói a sua primeira 

relação com a comida dentro de casa, aprendendo com os adultos, que são o exemplo”, 

diz ela. 

Segundo a especialista, nos casos de tratamento de obesidade infantil, todo o processo 

deve ser acompanhado pelos adultos, que são fundamentais para que o método dê 

resultado. “A relação familiar com o paciente mirim tem impacto direto na condição da 

criança”, explica.

Associada ao Health Coaching International Institute, escola pioneira em Coaching de 

Emagrecimento Consciente destinado a profissionais de saúde, Gladia enumera os 

maiores “inimigos” da saúde das crianças:
👉Oferecer alimentos industrializados com frequência:

http://www.estou-crescendo.com/2017/06/obesidade-infantil-confira-os-5-maiores.html



Apesar de os pediatras indicarem somente leite materno (ou fórmula em casos especiais) 

como alimento até os seis meses de idade,12% dos bebês dessa faixa etária comem 

macarrão instantâneo, segundo dados do Ministério da Saúde. Além disso, 72% das 

crianças com até dois anos comem biscoitos recheados e 48% delas tomam refrigerante 

regularmente.

“Uma criança com menos de um ano parece ser capaz de fazer o próprio macarrão instantâneo? Claro que não! Quem preparou essa refeição inadequada, sem dúvida nenhuma, foi um adulto”, diz Gladia.

“Esse é um grande erro, que deve ser evitado pelos pais, pois coloca a saúde da criança em risco”, alerta.
👉 Montar lancheiras pouco saudáveis:

obesidade infantil


A obesidade infantil e a adulta crescem juntas no mundo todo. Os pequenos aprendem e 

criam os primeiros hábitos dentro de casa. “São os pais que nos apresentam a forma de 

viver e se relacionar com tudo, inclusive com a comida", diz Gladia.

Os maus hábitos alimentares geralmente adquiridos na infância, e são os responsáveis 

pela maioria dos casos de sobrepeso. “A família sempre deve dar preferência a refeições 

saudáveis e, quando as crianças forem para a escola, a lancheira também precisa conter 

bons alimentos e em porções adequadas às necessidades da idade”, explica.

👉 Usar a comida como recompensa:

http://www.estou-crescendo.com/2017/06/obesidade-infantil-confira-os-5-maiores.html



Você usa os alimentos saborosos (e calóricos) como recompensa pelo bom 

comportamento dos filhos? Segundo Gladia, essa é uma péssima escolha para o futuro da 

criança. “Eles vão crescer com uma percepção deturpada da comida, que será difícil de 

corrigir na vida adulta”, ensina. 

Pesquisadores da Norwegian University descobriram que cerca de dois terços das crianças 

dão sinais de que comem para se sentir melhor. “Em longo prazo, essas recompensas 

podem levar à compulsão alimentar”.
👉 Subestimar o aumento de peso da criança:

alimentação infantil


Para a especialista, o modo como os pais pensam inclusive como eles se relacionam com 

questão do peso dos filhos gera uma percepção equivocada da condição das crianças. 

“Pais com a “mente gorda” adotam em seu dia a dia e ensinam aos filhos hábitos 

alimentares prejudiciais, apresentando percepção distorcida sobre o ganho de peso da 

criança”. 

Segundo um estudo realizado no Hospital Universitário da USP, em 2015, 58% das mães 

subestimam o peso dos filhos. “Esse equívoco retarda o tratamento e faz com que o 

número de crianças com diabetes tipo 2 e colesterol aumente a cada ano”, diz a 

especialista.
👉 Erra na escolha do tratamento adequado:



Gladia explica que experiências mal-sucedidas com dietas comprometem a autoestima 

das crianças, e, por isso devem ser evitadas ao máximo. “É por isso que sempre 

recomendamos o acompanhamento de um profissional, e o mais indicado é um coach de 

emagrecimento”, explica.

Associada ao Health Coaching International Institute, escola pioneira em Coaching de 

Emagrecimento Consciente destinado a profissionais da área da saúde, ela explica que o 

tratamento para as crianças deve ser cuidadoso e eficiente, para evitar que ela se torne 

um adulto obeso.

Para a nutricionista, é viável fazer coaching em crianças, desde que conte com a 

supervisão dos pais. “Existem algumas técnicas usadas para criar laços e cumplicidade 

com a criança. Assim, ela será capaz de compartilhar sensações, momentos, histórias e 

situações com o profissional, o que é essencial para o sucesso do tratamento”, finaliza.


*Informações enviada pela assessoria de imprensa

http://www.estou-crescendo.com/

Leia Mais ►

Vestidos de renda da Hiroshima {Resenha}

Resenha dos vestidos de renda recebidos da Hiroshima


Olá pessoal, tudo bem????

Como vocês sabem a Hiroshima é uma parceira de loooooonga data aqui do blog e que eu 

sou mega fã dos vestidos da Hiroshima.

Nossa eu tenho vérios modelos e adoro todos eles, uso sempre tanto para sair em uma 

festa como uso também alguns modelos no meu dia -a dia.

Os vestidos são de ótima qualidade, tem um acabamento e um caimento que são 

sensacionais. Sem falar no preço que é super em conta né?!

Vamos conferir os modelinhos que recebi desta vez???

Vem comigo que te mostro tudinho!

Estou numa fase de preferir os vestidos em renda.

Sim,"sou dessas" "cheia de fases" 


vestidos de renda da Hiroshima

Descrição do vestido da Hiroshima

  • Vestido em renda com forro
  • Comprimento Basico
  • Vestido com forro
  • Cor: Bege
Esse vestido é muito leve e fresquinho, usei muito nos dias de calorão e super recomendo!

vestido coleção Aline Barros


Descrição do vestido da Hiroshima:

  • Vestido em renda com forro em poliviscose com elastano
  • Comprimento médio
  • Forro em poliviscose com elastano
  • Renda
  • Cor: Marinho
Esses vestido é o meu preferido, ele é muito lindo, confortável com excelente 

acabamento.

Esse vestido é da coleção da Aline Barros, que você encontra a coleção completa nos 

catálogos da Hiroshima.

Super aprovei e super recomendo os vestidos que recebi da Hiroshima!!!

Então pessoal, o que acharam dos vestidos que recebi da Hiroshima??? 

Quero saber tudo sobre a opinião de vocês!!!

Vocês já compraram algum produto da Hiroshima?? O que acharam??

Quero saber tudo hein!!!

Se ainda não compraram podem correr e comprar, tenho certeza que vocês irão amar!!!

Encontre Hiroshima:






                                                                               Blog Estou Crescendo
Leia Mais ►

Febre amarela, saiba tudo sobre o surto da Febre Amarela no Brasil

Febre amarela: causa, sintomas, tratamentos


febre amarela


O que é Febre Amarela?


A febre amarela é uma doença infecciosa causada por um vírus e transmitida por 


mosquitos. 

A infecção pode ser categorizada de duas formas: 

>> Febre Amarela Urbana: quando é transmitida pelo Aedes aegypti

>> Febre Amarela Silvestre: quando transmitida pelo Haemagogus e Sabethe.

A doença é considerada aguda e hemorrágica e recebe este nome, pois causa amarelidão 


do corpo icterícia e hemorragia em diversos graus. O vírus é tropical e mais comum na 

América do Sul e na África. Apesar de ser considerado um vírus perigoso, a maioria das 

pessoas não apresentam sintoma e evoluem para a cura.

A febre amarela pertence à classificação das arboviroses, , tendo várias diferenças entre 


a dengue e ao Zika vírus, apesar de pertencerem à família dos Flavivírus.

Casos de Febre Amarela 2017

Em janeiro de 2017, o estado de Minas Gerais começou a investigar 23 casos suspeitos de 


febre amarela. Além disso, suspeita-se que 14 óbitos podem estar relacionados à doença.

No estado de São Paulo algumas cidades também estão em alerta para a febre amarela, 


como Ribeirão Preto e São José do Rio Preto, devido tanto à morte de macacos, que 

costumam pressagiar esse tipo de surto, quanto a mais dois óbitos suspeitos de estarem 

ligados à doença. Um dos casos fatais foi confirmado, mas acredita-se que esteja ligado 

à transmissão silvestre da doença. O Ministério da Saúde já admite como um surto no 

Brasil.

O último surto de febre amarela no Brasil ocorreu entre 2008 e 2009, quando 51 casos 


foram confirmados.

O que causa a Febre Amarela?

A febre amarela costuma ser transmitida por mosquitos, principalmente o Aedes aegypti 


(em áreas urbanas) e o Haemagogus (em áreas rurais). O mosquito é infectado ao picar 

uma pessoa ou animais com a doença e então desenvolve a doença e passa a transmiti-la 

para quem ele picar.

Existem dois ciclos da febre amarela:


Febre amarela silvestre: em que mosquitos destas regiões se infectam picando 


primatas com a doença e podem transmitir a um humano que visite este habitat

Febre amarela urbana: em que um humano infectado anteriormente pela febre 

amarela silvestre a transmite para mosquitos urbanos, como o Aedes aegypti, que a 

espalham.

É importante alertar que em ambos os casos a doença é a mesma, a diferenciação do 


ciclo de transmissão apenas ajuda nas estratégias para evitar a disseminação da febre 

amarela.

A pessoa permanece em estado de viremia, ou seja, capaz de transmitir o vírus para 


mosquitos, por até 7 dias após ter sido picada.

Normalmente o vírus causa sintomas em pessoas que nunca tiveram a doença ou que 


nunca tomaram a vacina.

Não há relatos de transmissão de febre amarela direta entre pessoas.

Fatores de risco

Pessoas que nunca entraram em contato com a febre amarela ou nunca se vacinaram 


contra ela correm o risco de contrair a doença ao viajarem para locais em que a doença 

é ativa, mesmo que não haja casos recentes reportados nestas regiões.

O risco é maior para as pessoas com mais de 60 anos de idade e qualquer pessoa com


imunodeficiência grave devido a HIV/AIDS.

Sintomas da Febre Amarela:

Muitas pessoas que contraem a febre amarela não apresentam sintomas, e quando os 


apresentam, os mais comuns são:

>> Febre
>> Dores musculares em todo o corpo, principalmente nas costas
>> Dor de cabeça
>> Perda de apetite
>> Náuseas e vômito
>> Olhos, face ou língua avermelhada
 >> Fotofobia ( 
sensibilidade à luz, visão sensível à luz, olhos sensíveis à luz)
>> Fadiga e fraqueza.

Os sintomas nesta fase aguda da doença costumam durar entre três e quatro dias e 


passam sozinhos.

No entanto, uma pequena porcentagem de pessoas pode desenvolver sintomas mais 


graves cerca de 24 horas após a recuperação dos sintomas mais simples. Nesta fase 

chamada de tóxica, o vírus pode atingir diversos órgãos e sistemas, mas principalmente o 

fígado e rins. 

Os sintomas dessa fase são:

>> Retorno da febre alta
>> Icterícia (presença de cor amarela) devido ao dano que o vírus causa no fígado
>> Urina escura
>> Dores abdominais
>> Sangramentos na boca, nariz, olhos ou estômago.

Em casos mais graves o paciente pode apresentar delírios, convulsões e até entrar em 


coma.

Dependendo do dano causado no organismo, esta fase da febre amarela pode levar a 


morte no intervalo entre sete e dez dias. Por isso, pessoas que são diagnosticadas com 

febre amarela devem estar atentas ao aparecimento dos sintomas iniciais e observar se 

os sintomas mais graves se manifestarem, para busca de ajuda médica.

Os sintomas da febre amarela podem ser confundidos com malária, leptospirose, 


hepatite viral e dengue hemorrágica.

Diagnóstico e exames:

Pessoas que manifestam sintomas de febre amarela, sejam simples ou mais graves, 


devem buscar ajuda médica imediata. Esta ajuda serve não apenas para tratamento e 

observação dos sintomas mais graves, mas também para a vigilância desta doença.

Além disso, se você não vive em uma região endêmica para febre amarela, mas pretende 


viajar para uma, é importante buscar um médico para tomar a vacina.

Especialistas que podem diagnosticar uma febre amarela são:


>> Clínico geral
>> Infectologista.

Estar preparado para a consulta pode facilitar o diagnóstico e otimizar o tempo. 


Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram, histórico médico, 

incluindo outras condições que o paciente tenha e medicamentos ou suplementos que ele 

tome com regularidade

Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar.

Diagnóstico de Febre amarela:

O diagnóstico da febre amarela é feito com base nos sintomas, histórico médico e de 

exposição a mosquitos possivelmente infectados.

Caso o médico suspeite de febre amarela, existe um exame de sangue que pode detectar 


a presença do vírus ou de anticorpos que indiquem sua infecção anterior.

Tratamento de Febre amarela:


Não existe medicamento para combater o vírus da febre amarela. O tratamento é apenas 


sintomático e requer cuidados na assistência ao paciente que, sob hospitalização, deve 

permanecer em repouso com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando 

indicado. Nas formas graves, o paciente deve ser atendido numa Unidade de Terapia 

Intensiva.

Não existem tratamentos médicos específicos contra o vírus da febre amarela. 


Normalmente o tratamento visa a melhora dos sintomas e em casos mais graves é 

realizado o atendimento em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), para reposição do 

sangue perdido nas hemorragias, diálise para os rins afetados e controle geral das 

complicações.

Devido ao risco da doença se desenvolver de forma hemorrágica, é importante evitar o 


uso de aspirina.

Convivendo/ Prognóstico:

Pessoas diagnosticadas com a forma mais simples da febre amarela devem manter 


cuidados básicos como:

>> Repouso
>> Reposição de líquidos, principalmente recorrendo ao soro caseiro em casos de vômitos
>> Uso correto dos medicamentos indicados.

Além disso, é importante que estas pessoas não fiquem expostas à mosquitos, ou podem 


infectá-los com a doença.

Pessoas que tiveram febre amarela uma vez estão imunizadas contra a doença.

Como prevenir a febre amarela?

A vacinação é considerada pela Organização Mundial da Saúde a forma mais importante 


de prevenir a febre amarela. Tanto que é a vacinação frequente que impede que a 

doença de espalhe mesmo em áreas endêmicas. É preciso que ao menos 80% da 

população seja imunizada contra um vírus para prevenir a doença nestas regiões.

Veja a seguir como deve ser a vacinação em áreas endêmicas:


>> De 6 meses a 9 meses de idade incompletos: a vacina está indicada somente em 


situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem 

inadiável para área de risco de contrair a doença

De 9 meses até 4 anos 11 meses e 29 dias de idade: é indicado uma dose aos 9 meses de 

idade e uma dose de reforço aos 4 anos de idade
A partir dos 5 anos de idade: se a pessoa já recebeu uma vacina, pode-se dar mais uma 

dose. Se ela nunca foi vacinada, é preciso dar uma dose inicial e outra de reforço 10 

anos depois.

No caso de pessoas com mais de 60 anos que nunca foram vacinadas, o médico deve levar 


em conta os riscos da vacinação, que incluem o risco de eventos adversos nessa faixa 

etária ou decorrentes de comorbidades. 

Gestantes e lactantes são contraindicadas a tomar esta vacina, assim como pessoas 

imunossuprimidas.

No caso de viajantes, o recomendado aqui no Brasil é realizar a vacinação 10 dias antes 


da viagem, no caso de primeira vacinação, já que os anticorpos protetores aparecem 

entre sete e dez dias após o contato com o vírus. De acordo com as Regulações de Saúde 

Internacionais, os países têm o direito de requerer de viajantes o certificado da 

vacinação contra a febre amarela.

Controle do Aedes aegypti:

A febre amarela urbana pode ser prevenida pela eliminação do mosquito transmissor, no 


caso, o Aedes aegypti.

As larvas do Aedes nascem e se criam em água parada. Por isso, evitar esses focos da 


reprodução desse vetor é a melhor forma de prevenir a dengue. 

Use repelente:

O uso de repelentes, principalmente em viagens ou em locais com muitos mosquitos, é 


um método importante para se proteger contra a dengue. Recomenda-se, porém, o uso 

de produtos industrializados. Os repelentes caseiros, como andiroba, cravo-da-índia, 

citronela e óleo de soja não possuem grau de repelência forte o suficiente para manter o 

mosquito longe por muito tempo. Além disso, a duração e a eficácia do produto são 

temporárias, sendo necessária diversas reaplicações ao longo do dia, o que muitas 

pessoas não costumam fazer.

http://www.estou-crescendo.com


Leia Mais ►

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...