Conjuntivite e Terçol: Saiba qual é a diferença

http://www.estou-crescendo.com/2018/04/conjuntivite-e-tercol-saiba-qual-e.html



Com as baixas temperaturas, o tempo seco e o acúmulo de poluição no ar deixam as 

crianças mais suscetíveis à conjuntivite e ao terçol. Aprenda a identificar e evitar e 

esses episódios.

Vamos começar pela conjuntivite:

O que é e quais são as causas da conjuntivite?

http://www.estou-crescendo.com/2018/04/conjuntivite-e-tercol-saiba-qual-e.html


Trata-se da inflamação da conjuntiva, membrana que reveste o globo ocular e a parte 

interna das pálpebras. Em 90% dos casos, é provocada por uma infecção viral, mas 

também pode ter origem bacteriana. Em menor escala, está associada à exposição a 

agentes tóxicos, como fumaça, produtos cosméticos e químicos, ou alergênicos, como o 

pólen e o pelo de animal.


Como ocorre a transmissão da conjuntivite?

No caso de vírus, o contágio acontece como o do resfriado – por meio de gotículas de

saliva no ar, do contato direto com secreções e do manuseio de objetos contaminados,

como brinquedos. Ambientes quentes e úmidos (pense nas aulas de natação) são focos

para a conjuntivite bacteriana. Ela pode acometer somente um olho ou os dois de uma 

vez.

Quais os sintomas da conjuntivite?

Além de inchaço e coceira, há outros bem característicos, como a secreção 

(esbranquiçada na conjuntivite viral e amarelada e abundante na bacteriana), a 

vermelhidão e a sensação de “areia nos olhos”. Seu filho também pode reclamar de visão 

borrada e intolerância à luz. Com frequência menor, ocorrem febre, dor nas articulações 

e na garganta.

Que providência tomar ao notar o problema?


Leve a criança ao oftalmologista ou no pediatra para verificar a necessidade de colírio 

antibiótico, anti-inflamatório ou antialérgico. Mas, antes, espere 24 horas para observar 

a evolução do quadro – será mais fácil para ele identificar a origem do problema. Nesse 

intervalo, limpe os olhos com gaze ou algodão (um para cada olho), embebido em água 

filtrada ou chá de camomila, que tem ação anti-inflamatória. Faça compressas geladas 

com água ou soro fisiológico e pingue lágrimas artificiais para lubrificar, enquanto durar 

tratamento.

Quanto tempo dura????

Depende, se for causado por bactéria, é comum que os sintomas permaneçam por até 

sete dias. No tipo viral, espera-se que a criança melhore entre uma e três semanas.

Pode haver complicações???

À vezes, a conjuntivite leva à formação de uma membrana na parte interna da pálpebra, 

que incomoda e pode deixar cicatrizes na córnea. Nesse caso, é necessário retirá-la no 

consultório, após a aplicação de anestésico. Vírus agressivos, mais raros, podem 

desencadear ceratite, inflamação capaz de comprometer a acuidade visual.

Tem alguma idade mais suscetível???

A contaminação pode ocorrer em qualquer fase, inclusive nos recém-nascidos, ao 

entrarem em contato com bactérias da mãe no canal vaginal. Para prevenir o problema, 

é comum que, após o nascimento, o médico pingue um colírio de nitrato de prata nos 

olhos do bebê. A conjuntivite neonatal exige tratamento urgente, pois há risco de 

infecção generalizada.

Como evitar a transmissão???

Separe toalha de banho e jogo de cama para uso exclusivo da criança (a fronha deve ser 

trocada diariamente), seque seu rosto com papel-toalha e lave suas mãos e as dela com 

água e sabão, sempre que possível – isso evita que a secreção vá parar em brinquedos e 

outras superfícies. Explique ao seu filho que ele não deve colocar as mãos nos olhos e 

pegue-o no colo o mínimo possível. Quando sair de casa, leve álcool em gel para 

esterilizar mãos e objetos. Por se tratar de uma doença contagiosa, é desaconselhável 

que a criança frequente ambientes fechados e com aglomeração de pessoas, como a 

escola, o cinema e o transporte público. Aulas de natação e banhos de mar também 

estão suspensos, pois agravam o quadro. Se a criança for sair durante o dia, coloque 

óculos de sol para proteger os olhos dos raios solares, que favorecem a irritação. 

Ofereça sucos, frutas e vegetais, pois suas vitaminas aumentam a imunidade e aceleram 

a recuperação.

O que é terçol???
terçol


Conhecido popularmente como viúva, é a inflamação de glândulas da pálpebra,

devido ao entupimento de seu orifício. Geralmente, fica próxima à borda dos cílios.


Como surge o terçol?

É ocasionado pelo aumento da produção de óleo pelas glândulas, pelo acúmulo de 

cosméticos (como o protetor solar) ou ainda pela alta concentração de poluentes no ar – 

situação típica do inverno, quando a umidade é mais baixa. A gordura é um prato cheio 

para as bactérias presentes na pele, que se alimentam dela, dando origem ao inchaço e à 

inflamação, que culminam na formação de pus.

Quais os sintomas do terçol??

Ardência, coceira, vermelhidão, inchaço, calor e dor.

Terçol é contagioso?

Dificilmente. As crianças podem continuar a frequentar a escola e a fazer todas as 

atividades às quais estão acostumadas, inclusive praticar esportes aquáticos. A rotina 

dos pais também não precisa ser modificada.

Quantos dias pode durar?

Em geral, de três a sete dias, quando o terçol é drenado ou expelido naturalmente pelo 

organismo.

Quais devem ser os cuidados com a criança que tem terçol?


Não deixe que ela cutuque a área afetada. Durante o banho, peça que feche os olhos e, 

então, higienize seus cílios com sabonete líquido neutro, diluído em água, ou xampu 

infantil. Compressas mornas de água ou soro fisiológico, com gaze ou discos de algodão, 

ajudam a abrir o poro entupido e a liberar o conteúdo do terçol – repita o procedimento 

pelo menos quatro vezes ao dia. Uma boa imunidade acelera a recuperação. Por isso, a 

ordem é caprichar na alimentação.

É indicado o uso de medicamento para tratar o terçol?



Sim. Dependendo do caso, o pediatra poderá prescrever pomadas ou colírios à base de 

antibióticos, para acalmar a região, diminuir a inflamação e controlar a infecção.


Todo terçol dói?


Não. Há situações em que surge apenas um caroço endurecido, classificado como calázio. 

Ele também está relacionado ao entupimento de uma glândula e pode persistir por 

meses. Se atrapalhar a visão ou a estética, requer remoção cirúrgica.

Como evitar que volte a aparecer o terçol?

Lave o rosto da criança com sabonete neutro, dando atenção especial aos cílios, onde 

bactérias oportunistas se alojam. A higienização caprichada também previne a blefarite 

(inflamação nas pálpebras, que causa coceira, vermelhidão e descamação), ligada a casos 

de terçol de repetição. Já os episódios de calázios (aqueles carocinhos endurecidos) 

recorrentes podem indicar algum defeito na visão, como o astigmatismo. Isso porque o 

olho faz um esforço maior para enxergar e predispõe o aparecimento dele. Um exame de 

refração (ou grau) ajuda a esclarecer a dúvida.


http://www.estou-crescendo.com


3 comentários:

  1. Ótimo post! Tudo bem explicadinho. Realmente nem todo mundo consegue diferenciar a conjuntivite do terçol e saber isso é super importante, pois a conjuntivite é super contagiosa, não é?! Não dá pra sair por aí achando que é apenas um terçol. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Super dicas para diferenciar, já tive os dois e são horríveis!

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    ótimas dicas, nunca peguei conjuntivite. Dizem que é horrível rs'
    Terçol também nunca tive, graças a Deus.
    ótimo post, bem explicadinho!
    bjs

    ResponderExcluir

Fico muito feliz com a sua visita e o seu comentário!!!
Volte sempre que desejar!!!
Beijocas

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...